Psicologia e Psiquiatria

Como sobreviver ao divórcio de sua esposa

Como sobreviver ao divórcio de sua esposa? Existem várias recomendações importantes sobre as quais todos precisam ter uma ideia, contribuindo para sobreviver a essas circunstâncias sem emoções destrutivas indevidas e humor depressivo. Acredita-se comumente que a ruptura do casamento une apenas o gênero feminino. No entanto, com tudo isso, de acordo com dados estatísticos, as mulheres são as iniciadoras da quebra dos laços matrimoniais em setenta e um por cento dos casos. A metade masculina da população pode sentir emoções muito mais intensas associadas à discórdia em relacionamentos que não serão intensos em gravidade, o que dificulta a percepção das experiências dos homens externamente. Portanto, a maioria dos descendentes de Adão está preocupada com o problema de "como um homem pode sobreviver ao divórcio de sua esposa?" Questões relacionadas às células recém-formadas da sociedade e às relações familiares, na sociedade atual, a priori, tornaram-se as mais dolorosas, controversas e prementes. Afinal de contas, todos os anos milhares de homens, entrando em sindicatos de casamento, se divorciam, depois de um período bastante curto. As razões para tais rupturas familiares são inúmeras traições, a incompatibilidade da metade do ideal forçado, problemas materiais e assim por diante. Fatores que provocam a participação de indivíduos dependem do grau de sua organização interna, nível de educação, independência material, auto-suficiência de parceiros e seus traços individuais de personalidade.

Como sobreviver ao divórcio de sua esposa, se você ainda ama

A maioria dos psicólogos está convencida de que a metade feminina e masculina da população percebe a separação de seus eleitos diferentemente devido às diferenças naturais entre os sexos na psique. No entanto, tal dispositivo da humanidade não nos permite acreditar que os homens reajam à lacuna de maneira menos dolorosa e aguda.

A consistência externa da expressão de sentimentos entre representantes de uma parte forte da humanidade tem suas próprias razões. Afinal, quase todos os bebês do sexo masculino desde o nascimento são inspirados por pais, outros ambientes adultos, educadores de instituições pré-escolares, professores de instituições educacionais, que os homens não devem chorar e não mostrar claramente suas próprias emoções. Essa afirmação está firmemente enraizada no subconsciente dos homens e deixa uma marca em toda a vida subsequente. Ela se manifesta em todas as situações da vida, incluindo as relações de gênero.

Então, como é mais fácil sobreviver ao divórcio? Como eles saem da situação do colapso do relacionamento com as menores conseqüências?

No primeiro turno, recomenda-se não se apressar com a criação de um novo caso de amor. Você deve primeiro sobreviver adequadamente ao divórcio, para que a próxima tentativa seja mais bem-sucedida. Também é necessário concentrar suas próprias forças e aspirações em metas que não estarão relacionadas com relacionamentos amorosos. Tais objetivos podem ser uma carreira, caça, exercícios esportivos ou carros. A principal coisa que o hobby foi realmente interessante para o homem.

Ao mesmo tempo, recomenda-se gastar o tempo e forças próprias na análise da situação atual. Deve refletir sobre o que poderia levar o ex-cônjuge a um passo tão sério. Afinal, com a ajuda de sua “partida para a mãe”, a constante coleta de bagagem e a ameaça de divórcio, muitas mulheres estão simplesmente tentando influenciar de alguma forma o marido ou mudar alguma coisa em seu comportamento. Portanto, devemos tentar lembrar todas as reivindicações do cônjuge em relação ao parceiro. Afinal, é provável que, ao eliminá-las, você possa devolver sua querida esposa "pródiga" e direcionar o desenvolvimento do relacionamento de uma maneira completamente diferente, na qual não haverá ressentimento e escândalo sem fim, mas o amor e a harmonia reinará.

Qualquer que seja o estado de espírito, não é recomendado pegar a garrafa e afogar sua própria dor em um copo. O alívio que as bebidas alcoólicas dão é uma ilusão. O álcool só pode enfraquecer emocionalmente um homem. Além disso, não há necessidade de correr para o conselho de seus companheiros. Afinal, os amigos do sexo masculino não entenderão o tormento de um marido abandonado. Provavelmente, eles simplesmente dirão que todas as mulheres são iguais e, portanto, você não deve se preocupar muito com a lacuna, mas rapidamente esquecer a que não gostou do amigo. Afinal, existem muitas mulheres no mundo. No entanto, se o amor ainda viver no coração, será muito difícil esquecer o cônjuge. Portanto, depois de analisar a situação e obter uma compreensão bastante clara das causas do incidente, você deve tentar conversar com seu amado. Em uma conversa com o escolhido, não é necessário dar-lhe promessas sem sentido que são impossíveis de cumprir. É necessário tentar encontrar um compromisso, e também descobrir se o amor em seu coração está preservado, o que ela sente a seu ex-cônjuge, o motivo de sua partida. As respostas ao amado demonstrarão a presença ou ausência de chances para o retorno de relacionamentos passados. E o mais importante, eles ajudarão o homem a entender exatamente o que realmente lhe faltava.

Como sobreviver à traição de sua esposa e divórcio? No caso em que o cônjuge "se afogou" não em espaço vazio, mas para outro assunto, então é simplesmente inútil discutir com ela a renovação do relacionamento. Além disso, não é necessário ser humilhado e implorar a ela que retorne à família. Tais ações não apenas provocarão um agravamento da situação, mas também exacerbarão o estado psicológico do homem. Afinal, uma metade forte, na maior parte, é egoísta e proprietária. É desagradável para eles quando a ex-senhora do coração encontra um cavalheiro, e mesmo que o cônjuge tenha abandonado o marido por causa de outro, então o sentimento de perda e dor é acrescentado ao sentimento desagradável. Nessa situação, não apenas o senso de dignidade do homem, mas também o orgulho sofre, e a confiança e o amor são profanados. Parceiro de cuidados para outro, os homens consideram não como um adultério banal, mas como uma traição, que é muito difícil de sobreviver. Mas não há nada impossível no mundo! Portanto, você precisa se segurar e viver.

Recomenda-se também que, se a questão “como sobreviver à traição de uma esposa e do divórcio”, tentar entender sua esposa e perdoá-la, de repente se torne urgente. Afinal, um sentimento de ressentimento e raiva só pode levar a um beco sem saída. Somente após o verdadeiro perdão de uma mulher, haverá uma oportunidade para uma vida futura feliz. Por isso, é organizado que cada indivíduo seja responsável por suas próprias ações independentemente. Portanto, a esposa responderá por seus chamados "pecados" ou erros, mas você não deve agravar seu próprio estado mental com emoções negativas e raiva.

Como sobreviver ao divórcio de sua esposa, se houver uma criança

Naturalmente, um casal que viveu juntos por mais de um ano e que tem filhos em experiências comuns se divorcia mais difícil e se rompe muito mais dramaticamente. Isto está relacionado com a destruição de ilusões, a não implementação de planos previamente construídos, bem como a formação de certos hábitos e estilos de vida associados à convivência, dependência uns dos outros.

Como um homem pode sobreviver ao divórcio de sua esposa e não perder sua intimidade e autoridade paterna com os filhos? Acontece que, na maioria das situações, as crianças, depois de romperem o vínculo familiar, permanecem com as mães, o que faz com que o homem tenha uma perda dupla - a separação da esposa e dos filhos. Agora ele pode se comunicar com os filhos apenas ocasionalmente. Quando uma criança tem idade suficiente, a separação dos pais é mais fácil para ele e afeta muito menos a psique. Mas se a célula de uma sociedade quebrar, na qual uma pequena migalha cresce, então ambos os pais devem considerar cuidadosamente sua própria linha de conduta para não prejudicar a frágil psique de seus próprios filhos. Em qualquer caso, é necessário gastar todas as forças e habilidades para que as relações com as migalhas não sofram. Recomenda-se, se possível, não interferir com os bebês em uma situação relacionada à lacuna ou à comunicação dos pais. Os homens devem tentar resolver de forma mais construtiva a questão da guarda conjunta dos filhos com o cônjuge. Você também precisa explicar às crianças que elas não estão perdendo o pai, que nada mudará no relacionamento, apenas o pai viverá separado. Naturalmente para crianças de todas as idades um divórcio indolor não passará. Portanto, a tarefa dos pais é minimizar as consequências negativas da separação das crianças.

Muitos homens fazem pedidos aos psicólogos: "ajudem a sobreviver ao divórcio de sua esposa" e encontrem a estratégia correta de comportamento com seus próprios filhos. Em qualquer interação com crianças, não se deve sobrecarregá-las com presentes e se entregar demais, tentando por tal comportamento compensar sua ausência e entorpecer seu próprio sentimento de culpa. O ideal é passar mais tempo com eles, levá-los a vários lugares interessantes e informativos, levá-los em viagens. Em outras palavras, você deve direcionar seu zelo ao desenvolvimento e educação das migalhas. É necessário tornar-se para eles um companheiro, um protetor e um adulto significativo ao mesmo tempo. As crianças precisam não apenas exclusivamente das mães, mas também dos pais para viver momentos inesquecíveis na vida e emoções alegres. Somente devido a esse comportamento salvará um lugar na vida da prole, mesmo que o ex-cônjuge viva com um novo cavalheiro que agora traga o filho de outra pessoa.

Também é necessário lembrar que se as crianças já atingiram a virada da década, então elas têm o direito de escolher com quem continuarão a viver.

Como sobreviver ao divórcio de sua esposa - dicas psicólogo

Como resultado da quebra do relacionamento conjugal, os homens, além de romper com o cônjuge e limitar a comunicação com os filhos, também ficam extremamente conscientes dos problemas cotidianos que antes eram deveres das mulheres, como lavar, cozinhar, passar roupa, limpar e muito mais. Muitas vezes, as mulheres até escolhem o que vestir para uma ocasião específica para o marido. Com ela saindo, um monte de problemas cai sobre a metade forte, que tem que ser resolvida de forma independente. Como resultado, a iluminação vai para os homens - acaba sendo a esposa, bastante preocupada com ele. Como esse cuidado é deixado para trás, o homem começa a sentir ainda mais desconforto e um sentimento de solidão.

Muitas vezes, se os fortes representantes da humanidade decidirem afastar-se de estereótipos frívolos e pedir ajuda a um psicólogo profissional, isso os ajudará a perceber que estão em um relacionamento matrimonial. Via de regra, depois de visitar um psicólogo, os homens começam a compreender que, em união, suas obrigações para com os fiéis e a responsabilidade oprimida pelas relações familiares e depois do divórcio, descobrem que não são capazes de responder por si mesmos. Os homens de repente se encontram em uma situação onde não há ninguém para consultar, em situações problemáticas não há apoio para o cônjuge. Somente depois de experimentar o divórcio, a metade forte começa a entender o tipo de força psicoterapêutica que a família possuía.

Psicólogos que são abordados pelos maridos com o pedido: "ajudam a sobreviver ao divórcio com a esposa" alegam que foi por causa do efeito psicoterapêutico da família que oitenta por cento da população masculina após um curto período passou a considerar o ex-companheiro quase ideal no processo de comparação com o novo parceiro.

Como é mais fácil sobreviver ao divórcio de sua esposa - o conselho de psicólogos.

Primeiro, os psicólogos dizem que, para sair do transtorno mental associado à ruptura nas relações, é preciso aceitar o divórcio como um fato consumado. Um homem deve se reconciliar completamente com a separação, nem mesmo disputando internamente. Também é recomendado evitar a solidão e o abuso de álcool. Homens que sobreviveram à lacuna precisam de um companheiro. Tal interlocutor deve ser uma pessoa próxima para um homem que está passando por um divórcio, no qual ele não irá segurar as emoções e será capaz de falar francamente. Afinal, os homens que se permitem expressar abertamente os sentimentos vivem, em média, mais tempo do que aqueles que, por algum motivo, costumavam se conter. Não há necessidade de ir a extremos, acusando a destruição da célula da sociedade ou a si ou ao seu cônjuge. Afinal, a maldição do ex-cônjuge e sentimentos de culpa são destrutivos para a saúde psicológica dos homens. Recomenda-se carregar-se com o trabalho, encontrar novos hobbies ou hobbies para que não haja tempo para a tristeza e emoções destrutivas.